[GSK] Política do amor concreto

por SS Gurusangat Kaur Khalsa


Nesta semana, minha sobrinha me fez chegar às mãos uma crônica do Pedro Bial falando sobre amor no enredo da morte de Eduardo Campos. Não era um texto pobre, apenas excessivamente romântico para se encaixar na realidade concreta da vida e da morte. Acho que se o próprio Bial lesse seu texto convictamente, talvez não precisássemos passar pela humilhação do Big Brother!


O Eduardo Campos se foi mesmo. No fechar das cortinas de sua vida, tivemos a chance de dar uma olhada espichada sobre sua intimidade, o que revelou muito sobre um desconhecido. Uma mulher guerreira e discreta, de fato sua conselheira e amiga, e filhos amorosos e politizados. A morte do Eduardo Campos nos trouxe a chance de uma reflexão sobre um absurdo: o país que chamamos de Brasil é nosso, nós somos seus habitantes e nós não podemos negar que, se este país expõe suas feridas mais fétidas e sua brutalidade mais primitiva, pertence a nós todos este enredo em coautoria.


Na semana passada encerrei minha coluna com a seguinte frase: A alma torna-se o guia, e a primeira lição a ser aprendida é: “o relacionamento tem um compromisso, e o compromisso tem um relacionamento”, frase de Yogi Bhajan. Naturalmente, fico tentada a colocar aqui minha opinião sobre a política no cenário nacional, me atenho, no entanto, à abordagem sócio-psíquica da questão.


Para que a alma possa quitar seu contrato de nascimento, ela precisa desesperadamente de conexões, de relacionamentos! Na contradição que habita qualquer relacionamento, quando nos entregamos a ele tempo suficiente para experimentar, residem importantes lições para nossa psique e, simultaneamente, a superação de estados estagnantes para a alma. A alma quer libertar-se das juntas atrofiadas e rígidas dos nossos hábitos e crenças.


Quando nossa consciência apreende da realidade um pouco mais do que o peso de nosso intelecto nos permite absorver, começamos nossa jornada de independência. No início, absorvemos da realidade elementos novos, que inauguram cenários inéditos e que nos estimulam a viver dentro de uma nova realidade. Não é nada inédito, entretanto, uma pegada purista nesta fase é quase inevitável. É como se soubéssemos que o revelado é a mais pura verdade, e todo o resto a mais pura mentira. Nessa adolescência psíquica, ficamos ousados na defesa do que seria a única explicação plausível para a realidade, e muitos de nós morrem na ignorância desta imaturidade ou partem sem experimentar contextos complexos da própria polaridade.


Na medida em que amadurecemos, isso muda. O amadurecimento emocional nos autoriza um olhar muito mais abrangente ainda, e nos força a contemplar, com paciência e interesse, os paradoxos que brotam destas polaridades. A alma já nos oferece a confiança notória da sabedoria, e com este escudo não tememos construir nossa percepção dentro destes paradoxos. E ainda mais importante, não tratamos estas polaridades como problema. Você sabe por quê? Porque paradoxos não podem ser solucionados como os problemas.


Paradoxos apenas apresentam a quem quer experimentá-los dois componentes contraditórios e ao mesmo tempo conformadores da identidade do outro (noite-dia; inspirar-expirar).


É complexo, eu sei, mas a única coisa que a alma precisa é da complexidade dos tempos e das situações para que nossa psique seja treinada e expandida. É complexo e libertador!


Voltando à frase do Yogi Bhajan acima, se você realmente entrar na sua natureza verá o gênio imanente de seu âmago. Nas nossas vidas, precisamos compreender que cada relacionamento tem um compromisso, muitos deles irritantes e absolutamente contraditórios; e cada compromisso tem um relacionamento, que nos elevam ou que expõem nossos limites e nossa coragem.


Jamais seremos inteiros ou maduros se continuarmos fazendo escolhas que tentem a afastar as contradições e os paradoxos de nossos compromissos e relacionamentos. Por isso, ao assentarmos nosso olhar sobre o cenário cínico da política e dos políticos, não deveríamos outorgar chance alguma à nossa análise esterilizada da realidade. Sem contexto e sem projeção, julgaremos sempre com base na limpeza neurastênica da nossa psique maniqueísta e, por isso, infantil.


Wahe Guru.


Belo Horizonte, 20 de Agosto de 2014.

Categorias
Posts Recentes
Arquivo
Tags  
SOBRE NÓS

A Associação Brasileira dos Amigos de Kundalini Yoga, filiada à Fundação 3HO, tem por propósito divulgar a tecnologia e os ensinamentos do Kundalini Yoga e do Shabad Guru no Brasil, servindo a todos na busca da excelência e da manifestação de seu ser original, criativo, livre e digno.

LOCALIZAÇÃO

Rua Yvon Magalhães Pinto, 511

São Bento .  Belo Horizonte

MG . 30350-560 . Brasil

Telefone: (31) 3090-5508 

secretaria@abaky.org.br 

CONECTE-SE

© 2018 por Abaky.

  • Instagram - White Circle
  • Facebook - White Circle
  • YouTube - White Circle
  • SoundCloud - White Circle