O yoga é

5 Dec 2013

por Dharamjeet Singh

 

Ao contrário do que muitos pensam e falam comigo ao saberem que sou professor de Kundalini Yoga, yoga não é só se sentar, ficar parado e não pensar em nada. Eu, ao tentar explicar o que é yoga, acabo dizendo que há exercícios (Asanas), respirações (Pranayamas), posturas para as mãos (Mudras), meditações, mantras e que o objetivo principal é a experiência pessoal de cada um ao praticar. No entanto, isso pode soar confuso para alguém que nunca praticou. Por isso, resolvi compartilhar algumas das minhas experiências e aprendizados com a prática regular de Kundalini Yoga.

 

Quais seriam os aprendizados que as poses e as meditações nos proporcionam, se soubermos aproveitar a oportunidade que nos é dada?

 

Muitas vezes somos testados no nosso limite através da dor. Posturas difíceis de serem sustentadas. Minutos parecem virar horas. No entanto, continuamos firmes, porque sabemos que o resultado final é uma paz profunda, uma sensação de dever cumprido, de termos feito o nosso melhor, de podermos então esperar pela recompensa do bem-estar.

 

É um teste de resistência física contra a nossa própria mente. Aprendemos que a vida não é fácil e que não podemos simplesmente mudar para um lugar mais confortável, quando uma dor surge, pois, após poucos segundos, uma nova dor aparece, às vezes pior do que a anterior. O melhor que podemos fazer é simplesmente aprender a aceitar a dor, senti-la profundamente, escutar o que ela tem a nos dizer sobre o momento que estamos atravessando e agradecer a oportunidade de sermos testados com tamanha intensidade -- tendo a certeza que logo após a dor, se a atravessarmos com dignidade, receberemos a recompensa. Sairemos com maior calibre, mais seguros de nós mesmos e prontos para outros testes e desafios, que sempre existirão.

 

Ao permanecermos imóveis em uma posição, também aprendemos a sermos firmes como rochas e montanhas, e a não arredarmos o pé do que acreditamos ser o justo. Não importa o que aconteça do lado de fora, internamente, sustentamos nossa dignidade. Ouvimos tanto em silenciar a mente para meditar e, justamente na hora da yoga e da meditação, todos os pensamentos resolvem aparecer. “Buscar filhos, levar filhos; lista de compra; planos para o dia, semana, mês; como anda aquele amigo; o que eu faria com o dinheiro da loteria; quando serão as próximas férias; será que o professor esqueceu de mim nesta pose”, entre tantos outros pensamentos.

 

Não aprendemos a silenciar a mente no Kundalini Yoga, mas sim a percebermos os pensamentos, tomarmos consciência da qualidade deles, agradecê-los e deixá-los seguirem seus respectivos caminhos, sem nos prendermos a qualquer um deles. E, assim, chegamos a um estado de presença, e o silêncio aparece -- Shunya.

 

As árvores possuem uma raíz firme no chão, mas possuem maleabilidade no tronco e nos galhos. O vento chega acariciando suas folhas, elas farfalham e as árvores se movem. Quando, então, o vento segue seu caminho, elas permanecem calmas, serenas e sem preocupações. Se as árvores não tivessem esta maleabilidade, tombariam no primeiro vento forte. E assim somos nós. Se fixarmos tamanha atenção aos pensamentos, nos prenderemos a eles e nos perderemos no caminho do encontro com nossa Divina Presença. Mas, se permitirmos, os pensamentos passarão como o vento e nos deixarão em completa união com nossa mais Alta Consciência.

 

Durante as aulas de Kundalini Yoga, esbarramos em conflitos internos e emoções mal-resolvidas que nos impedem de seguir nosso caminho livremente. Raiva, orgulho, medo, etc. Nosso lado instintivo e animal. São registros de uma época quando sofremos abusos e traumas. Registros que ainda operam como uma barreira de segurança ao nosso redor. Embora a natureza livre da nossa alma queira que nos libertemos desta prisão, muitas vezes não gostamos e nem queremos olhar para este aspecto nosso. São nossas sombras, que podem nos confrontar por toda a vida, se não tomarmos consciência delas, abraçá-las, resolvê-las e devolvê-las ao Infinito.

 

E como num passe de mágica, sem necessariamente tomarmos consciência do que estava travando nossa vida, vamos liberando nossas dores, nossos medos e dúvidas, simplesmente com nossa disciplina, mantendo uma prática regular de Kundalini Yoga e uma sadhana diária. Vamos ficando mais leves, mais presentes, mais conscientes, mais compassivos e compreensivos.

 

Começamos a nos desconectar aos poucos de nossos apegos, falsas verdades, muletas, e nos conectamos com nosso verdadeiro lado humano, intuitivo. Abrimos espaço para o desconhecido. Reconhecemos conscientemente que Deus (Sagrado, Sat Nam, Divina Presença, o nome que você der à Força que Cria) vive dentro de nós, e vive igualmente em todas as coisas: rochas, plantas, animais, TODOS os seres humanos (independente do nosso julgamento) planetas, galáxias, e toda Sua Criação. E esta união com tudo e com todos é o Yoga.

 

A prática de exercícios físicos e meditações são ferramentas simples e eficazes que servem para nos tirar do lugar de conforto e nos trazer a experiência máxima desta união com o Todo. Mas sim... Começa se sentando, não se movendo, tentando manter a mente em silêncio, o resto da sua experiência está em suas mãos.

 

Sat Nam Wahe Guru

Belo Horizonte, 04 de dezembro de 2013.

Please reload

Categorias
Posts Recentes

July 29, 2020

Please reload

Arquivo
Please reload

Tags