[GSK] Usando o caos como escada

4 Jul 2016

Aula ministrada por Gurusangat Kaur Khalsa em 1º de julho de 2016.

 

Esse livro ganhei de presente do KRI, foi lançado agora no solstício, "Enlighten Bodies", (Corpos Iluminados), é maravilhoso. É uma revisão da anatomia sutil e da anatomia tradicional. 

 

[GSK abre a aula]

 

Vamos fazer hoje um trabalho clássico do Kundalini Yoga, que se chama "Ajuste do Corpo para Elevar o Espírito". Vamos dissecar esse tema, conversar um pouco sobre o que seria, para nós, professores de Kundalini Yoga, elevar o espírito. E é claro que o nosso propósito aqui é, mais uma vez, quebrar o óbvio, quebrar o clichê. Quero convidar vocês agora a pensarem um pouquinho como um arquiteto, construtores de espaços. O que a gente faz na arquitetura é, num espaço vazio, projetar uma forma. E no momento em que você projeta uma forma, num determinado espaço vazio, e quando aquilo que foi projetado se ergue e se torna concreto, aquela forma projeta o espírito, que ficou “encarcerado”, que ficou “preso” naquela forma.

 

Quando olhamos para um imenso vazio, para o nada, nós não somos capazes de detectar o espírito. No momento em que a gente ergue uma forma naquele espaço vazio, instantaneamente aquela forma, não é que ela traz em si o espírito, mas ela é passagem para o espírito. Aquele espaço deixa de ser vazio e deixa de ter uma identidade. Isso quer dizer que embora o espírito, essa força prânica, esteja em todos os lugares, o tempo todo, em tudo, ela só se manifesta neste plano. Não estou falando de outros planos, mas deste planeta Terra, o espírito só se manifesta através da forma. Então quando você constrói uma casa e olha para o espaço vazio de dentro da casa, digamos, através de uma porta ou de uma janela, tudo ganha uma outra qualidade.

 

O espírito é tão incomensurável que gente não consegue se relacionar com ele. A psique humana não possui um meio para se relacionar com o incomensurável. Por isso a gente cria identidades. Quando você dá uma forma, você cria uma identidade e ela é a projeção, a passagem para o espírito. Isso é muito importante no Kundalini Yoga. Não é um conceito, mas é uma leitura que o Kundalini Yoga faz – por conta do Sikh Dharma – da realidade. Então quando a gente quer mudar a projeção de algo, a gente muda a forma, porque o espírito é universal. Quando a gente muda a forma, aquele fluxo que ficou preso ali, provavelmente para dar identidade à forma, muda. A gente não muda o espírito para melhorar a projeção, a gente muda a forma. Por isso, no Kundalini Yoga, a forma é tão importante. E por isso que nós não somos yoguis ditos espirituais, um “clichezão”. Esses yoguis são aqueles que se retiram da forma, se retiram do fluxo da natureza, do fluxo da matéria. Nós não, nós nos inserimos no fluxo da matéria, porque nós sabemos que é trabalhando na forma que a gente vai projetar as diferentes qualidades desse espírito, que é universal.

 

Na aula de hoje, quando a gente for trabalhar o ajuste do corpo para elevar o espírito, a gente vai trabalhar a parte do nosso corpo que faz com que a força do espírito que está dentro de nós ganhe muito calibre, ganhe muita projeção. O plexo solar, o terceiro chacra é a região do nosso corpo responsável por nossa projeção, nosso calibre. Então a aula para aumentar nosso calibre tem de criar uma força de projeção que é da nossa identidade. E ela tem de terminar no sexto chacra, combinando o terceiro e o sexto chacras. O Yogi Bhajan dizia que, na Era de Aquário, o nosso objetivo é pegar o ponto entre as sobrancelhas e colocá-lo no plexo solar. A gente quer pegar a sabedoria, a intuição e colocar onde reside a projeção e o calibre, porque a gente quer saber para onde e como estamos projetando nossa força. A maioria dos Hatha yoguis que foram enganados pelos tais swamis – que ensinam pouca coisa a ninguém – aprende que precisa tirar a força do plexo solar e colocar no terceiro olho. Então eles ficam com muita força meditativa, mas sem nenhuma força de ação. A forma deles não consegue projetar o espírito, porque eles não trataram da forma. São aqueles swamis magrinhos, os brâmanes das canelinhas finas, que foram atrás do Guru Tegh Bahadur morrendo de medo, pedindo para serem protegidos porque seriam mortos por islamitas. Não tem força, a forma não se sustenta. O Kundalini Yoga é maravilhoso, radical, sou fã, é encantador por causa disso, porque quebra, a todo o tempo, esse lugar-comum. Enquanto estivermos vivendo neste mundo, nós precisamos sempre alterar a forma para cada vez mais ela servir à força do nosso espírito. Vamos então trabalhar na forma para o espírito se projetar.

 

Kryia: Ajuste do Corpo para Elevar o Espírito, do livro The Fountain of Youth.

 

Uma coisa importantíssima que nós do Kundalini Yoga fazemos e só a nós foi ensinado, pode ser que a gente não lembre, mas nos foi ensinado por meio dos vários exemplos dos professores da Corrente Dourada: “o caos não é um abismo, o caos é uma escada”. E vocês não podem esquecer isso! Porque se vocês entenderem o caos como abismo, vocês são a vítima de vocês mesmos. Caos é uma escada. E para a gente entender o caos não como abismo, a gente precisa entender algumas coisas, primeiro é estar muito familiarizado com o caos. Claro! Na hora em que ele chegar,  você poder dizer, "aaah chegou!!Mais uma vez, chegou...hum...hum... ótimo!" Porque se você não está familiarizado com o caos, na hora que ele chega, você se assusta e …cai no abismo! Caos acontece na vida de todo mundo, você não vai ser o primeiro nem o último. Então a primeira coisa é estar familiarizado com esse sentimento. Segunda coisa, saber que o processo do caos é necessário para a recriação. Saber, não precisa me ligar para saber disso. Eu não preciso falar para vocês o tempo todo que o caos é o substrato do crescimento. Você já sabe! Por mais que seja doido, por mais que seja doloroso, por mais que seja estranho, esquisito, "eu não queria estar no caos, eu queria estar no meu mundo maravilhoso", mas ele é um processo de transformação grande. E a terceira coisa é não pular no abismo, mas subir a escada, e para subir a escada do caos, a gente precisa ter força.

Essa aula é para isso. Porque em cada passo dessa escada você transforma sua forma para projetar ainda mais a força do espírito. Então cada passo, quando a gente está no caos, quando a gente está na dificuldade e dá um passo, é uma força de projeção que o espírito ganha porque cada passo é uma mudança na forma. Cada passo que você dá para sair do caos, subindo essa escada, você está usando seu plexo solar. É muito importante. Isso é um clássico no Kundalini Yoga. Só não foi colocado nesses termos e nessa frase. E essa frase tampouco é minha, é do Littlefinger, do Game  of Thrones. Então nós, professores de Kundalini Yoga, professores mesmo, que vivemos essa vida,  de repente o Littlefinger , do Game of Thrones, fala uma coisa dessa, ninguém dá nada pelo Littlefinger e nós pensamos, gente! Isso é material para eu trabalhar na aula de Kundalini Yoga. Isso é Kundalini Yoga. Vocês não precisam se retirar do mundo para serem bons professores de Kundalini Yoga, pelo contrário, quanto mais vocês estiveram no mundo, vocês serão melhores professores de Kundalini Yoga. A gente deve fazer ponte com as pessoas. Lamento que só a Seetal Prem, que já foi embora, saiba quem é o Littlefinger.

 

Quando eu estava em Espanhola, há anos, Game of Thrones está por aí há seis anos, eu e a Pritpal voltávamos das reuniões e encontrávamos o Chiv Charan e o Pritpal Singh sentados no sofá assistindo a Game of Thrones. A gente chegava em casa, ia cozinhar e tal. Um dia eles perguntaram se a gente não via Game of Thrones, então resolvemos sentar para ver. Eu e Pritpal ríamos tanto, porque era uma matança, parecia o Quentin Tarantino. A gente falava que não ia sobrar um personagem, vão matar e no final vão ter de se matar. Aí a Shanti chegou aqui e disse: Guru Sangat, mas é material de trabalho! Incrível! Eu disse: vou olhar. A história é clássica, como o grande mito babilônico do mal sempre vencendo o bem, até que você reza para o mal ser dizimado, até que você vira tão mau quanto o mal. Uma história clássica, o mito da Babilônia, tranquilo, de novo. Mas você assiste ao programa por muito tempo, até extrair uma pérola dessa, dita pelo Littlefinger, para você se conectar com seus alunos, com o Pritpal e com o Chiv Charan, que são dois grandes mestres do Kundalini Yoga e que adoram Game of Thrones. Por favor, gente, fiquem por dentro das coisas. Era isso, essa aula é muito antiga.

 

[GSK encerra a aula]

 

May the long time sun shine upon you…

Please reload

Categorias
Please reload

Posts Recentes

November 6, 2019