[GSK] Coordenando corpo, mente e alma

27 Mar 2017

Aula ministrada por Gurusangat Kaur Khalsa em 24 de março de 2017

 

[GSK abre a aula]

 

A aula de hoje chama-se Coordenando corpo, mente e alma. Esse tema é obvio e, por si, não fala mais nada do que ele já fala. Mas ele revela. Quando você se ajusta nessa tríade, pode dar entrada a várias conversas. E a conversa que eu quero ter hoje com vocês é sobre Shakti Path. Eu não sou a professora de vocês que vou ensinar como meditar profundamente em uma técnica, ou criar necessariamente um espaço muito estável para vocês terem uma experiência profunda de meditação, num determinado momento. Eu não sou a professora que estarei aqui para dar a vocês um kriya e dizer que é para você fazer por três anos, na sua Sadhana, porque você está precisando de transformar isso ou aquilo. Tampouco vou ser a professora que vai, por receio de confrontar, me calar em determinas situações. Então eu escolhi, ou o destino me escolheu para ser uma professora que vai cuidar da jornada inteira de vocês. Eventualmente vocês vão precisar de uma meditação, eventualmente vocês vão precisar de um kriya que eu possa dar, eventualmente vocês vão precisar de uma conversa. Mas eu não vou me preocupar, não me atento apenas em cobrir uma área particular de vocês para que vocês se sintam em vocês satisfeitos. Eu vou sempre cuidar para que vocês organizados, satisfeitos ou não, continuem servindo o destino de vocês. Tem uma diferença bem grande. Isso no Kundalini Yoga chama-se o Professor Espiritual. É aquela pessoa que está entregue a um projeto que vai muito além do eu de si e do eu do outro. Vai numa construção de almas. É isso que vocês acabam se tornando para os seus alunos, quando vocês conseguem passar por Shakti Path.

 

No Kundalini Yoga, a gente tem um leque. Se a gente for para uma imersão profunda no Kundalini Yoga, nós temos os Kryias, que são reveladores demais. Quem de vocês já teve a chance de pegar um Kryia e fazê-lo por 90 dias sabe o poder dele. Mas se vocês querem, por exemplo, fazer um Jap Yoga, um Naad Yoga, vocês vão recitar, vocês vão pegar um bani, um shabad, um mantra e experimentar aquele mantra por 90 dias. Vocês conhecem essa experiência. Mas se vocês quiserem meditar, nós temos um braço do Kundalini Yoga, que é o Satnam Rasayan, que é impressionante e dá a vocês uma experiência profunda do espaço meditativo. E o mais bonito de tudo é que essa experiência do espaço meditativo que o Satnam Rasayan dá não é para você se servir. É para servir ao outro. Então, para quem não achou seu espaço em nenhum desses ramos e uma vez por mês que aparece aqui no Gurdwara senta e medita, transcendeu, fez o serviço, ou aqueles ainda que fizeram tudo isso apenas para servir. Tá certo também.

 

Não existe um modelo de um yogi, não existe um modelo ideal. Quando a gente escolhe qualquer um desses modelos isolados ou combinados e caminha, há no início um grande progresso. Vocês sabem do que eu estou falando. Há muito progresso. Mas depois o progresso para, você se sente estagnado. Quando essa estagnação acontece, há duas maneiras de reagir, se o ego preside, vai ser de uma maneira, se o ego não preside, vai ser de outra. Quando a gente passa pela estagnação, que é própria de qualquer caminho, através da força do ego, você se rebela contra o seu professor espiritual ou contra o caminho. Mas você não se rebela saindo de uma meditação e falando: agora eu não quero mais saber! A vida vai sempre dar oportunidade entre você e o caminho, entre você e o professor para que essa relação seja testada, sempre. E as oportunidades são espinhosas, quando parece que tudo justifica você dizer "chega!". São os testes de Shakti Path.

 

Mas se o ego não está presidindo, então você está caminhando com a sua mente, mas ela está insegura e não sabe se dá razão para o ego ou para a alma. Será que eu escuto meu ego? Será que eu escuto a minha alma? A gente nem tem clareza de que essa dualidade está acontecendo, mas o ego não está presidindo e você caminha por esse lado, a reação é você sentir que você precisa ser preenchido. O vazio é próprio da dualidade. Esses são os testes de Shakti Path, para todo mundo acontece assim. Para mim aconteceu desta maneira: eu me rebelei contra o meu professor, contra o Yogi Bhajan. Mas eu sempre tive uma maneira muito honrosa de me rebelar. E muito respeitosa, porque no fundo eu tinha certeza de que era eu que não estava compreendendo. Essa consciência me fez compreender que eu devia insistir. Então vocês precisam ter atenção a esse momento de vocês. Porque se vocês passarem por esse teste, e ele, no período mais longo, dura sete anos. No mais longo, você pode encurtar isso. Se você passa, você estava sendo preparado em suas estruturas. É uma pausa de crescimento que todo ser humano tem. Uma criança tem pausa de crescimento, a psique tem pausa de crescimento, o adulto tem pausa de crescimento e a nossa identidade espiritual também. Então você passa por uma pausa de crescimento, em que você processa aquilo que já foi adquirido, e depois desse processamento, você precisa ganhar força para dar um outro salto. Quando vocês derem esse outro salto, vocês vão entrar em Sahej, que é quando vocês vão servir os seus alunos numa perspectiva muito natural, muito tranquila, onde vocês não têm dúvida de compartilhar o que o aluno precisa. Muitos de nós buscamos preencher para servir, mas observe. Se você estiver em Shakti Path, o preencher não é necessário porque você precisa permitir esse espaço para que outras coisas possam ser colocadas quando você caminhar para Sahej. Se você chega com um pouco de água no copo, acha que ele está vazio e você o preenche, na verdade, você ocupa um espaço que o divino iria te preencher talvez não com água, mas com outra substância para que você pudesse misturar a sua água e servir de alguma maneira, entende? Você se sente vazio e preenche. Você está aflito, você não permite uma pausa nesse nada. Qual o problema de você ficar bem, se sentido mal? Porque vocês só têm de ficar bem se sentido bem o tempo todo, isso não é normal. A história é quando a gente estiver mal é a gente se sentir tranquilo porque aquilo é o espaço de processamento. Claro que existem adoecimentos nesse luta, mas não estamos falando deles. Estamos falando de quando você se rebela contra o caminho, o professor ou o tédio, e você quer se preencher. Essa aula é para isso.

 

Eu terminei a leitura de um livro ontem sobre a vida do Guru Nanak escrito por um muçulmano do Paquistão. Eu fiquei encantada porque queria olhar para o Guru Nanak a partir dos olhos de um muçulmano. Mas os olhos muçulmanos só querem absorver do Guru Nanak o que ele foi para os Sufis. Eles têm grande resistência de absorver o Guru Nanak no que ele foi, por exemplo, para os Khalsas. Então todo tempo o autor faz uma crítica aos demais Gurus, e deixa Guru Nanak fora da crítica. Mas tem um relato que a gente só fica sabendo pelos olhos de um muçulmano. Nas suas viagens pelo vale do Hindus, depois de treze anos que o Guru Nanak está fora de casa, morrendo de saudade da mãe e da mulher, ele dá uma piradinha. Ele sente tanto tédio, que o tocador de rababa que o acompanha fala assim: “em algumas noites, o meu mestre está completamente doido. Eu finjo que estou dormindo e ele olha para o céu e conversa com Kabir e um outro santo sufis muçulmanos como se eles estivessem presentes.” É claro que o Guru Nanak tem um surto, e o surto é de tédio. Vocês podem imaginar 13 anos andando, conversando, sendo mal tratado. E um dos poemas que o Guru Nanak escreve é assim: “eu posso estar sentindo tédio, mas é porque eu não posso alcançar a luz, que ainda reside em mim e foi dada por ti. Por que você não me ajuda a alcançar essa luz, ao invés de me prender no sentimento de que eu fiz tudo isso em vão?” É o sentimento que a gente tem. Então a aula é para a gente trazer essa compreensão para nós. Quando eu comecei a dar aula de Kundalini Yoga, no meu sexto ano talvez, me deu um desespero. Eu pensei que nunca mais sairia disso, que eu estava presa, que nunca mais eu poderia fazer outra coisa, eu preferia morrer. É quando, então, você contém numa sadhana a sua mente negativa para ser feliz.

 

Kriya: "Coordenando corpo, mente e alma", do manual Self Knowledge, página 10.

 

Sempre quando dou nível 1, me maravilho com a quantidade de coisas que eu tomo contato e não sabia. Por exemplo, preparando Mente e Meditação recentemente, eu descobri um material do Yogi Bhajan que sempre esteve no meio da pilha de coisas que tenho dele, se não me engano está num manual de nível dois, em que ele fala sobre o Magic Mantra. “Ek Ong Kar, Sat Gur Prasad, Sat Gur Prasad, Ek Ong Kar.” De tudo que ele fala, fiquei impressionada quando ele diz que nenhum mantra tem o poder de retaliar a gente. Todos os outros mantras, se você entoa mal, ou com a pronúncia do Gurumuki errada, ou sem reverência, nada vai acontecer. Se você entoa bem, você vai obter benefícios, se você entoa mal, não vai acontecer nada, exceto o Magic Mantra. Eu fiquei muito surpresa com isso, achei muito bom de ter tido a chance de conhecer isso. Por isso, ele recomenda que, antes de entoar esse mantra, a gente faça uma pequena oração. E a que ele recomenda é o Mool Mantra. O Magic Mantra tem a capacidade de desbloquear a gente de processos neuróticos. Muitas vezes a própria mente criou esses processos e acaba caindo nele.

 

Meditação: Mahan Gyan

 

May the long time sun shine upon...

 

[Transcrição: Sada Ram Kaur]

Please reload

Categorias
Posts Recentes

July 29, 2020

Please reload

Arquivo
Please reload

Tags